top of page

Reinos e Linhas de Exu na Quimbanda


Reinos e Linhas de Exu - Corrente 322


Na prática da Quimbanda, reverencia-se entidades primordiais e ancestrais que seguem a senda sinistra. Cada entidade e divindade apresentam traços distintos em sua maneira de agir, locais de manifestação, o modo como se revelam e as energias que as permeiam. A estrutura da Quimbanda é organizada em sete reinos, vastas áreas onde essas entidades operam, e cada reino agrupa seres que compartilham características semelhantes. Em outras palavras, cada entidade carrega consigo estereótipos e atributos específicos do reino ao qual pertencem.


Cada reino, por sua vez, é subdividido em nove povos, áreas específicas dentro de cada domínio, e para cada povo, há um líder designado como Chefe.


Os Reinos são:


REINO DAS ENCRUZILHADAS


Este domínio é liderado por Exu Rei das Sete Encruzilhadas, e Pomba Gira Rainha das Sete Encruzilhadas. É nas encruzilhadas que se concentram todas as energias provenientes das quatro direções, servindo como o ponto de interseção entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos, onde diversos caminhos se entrelaçam.


Frequentemente, as encruzilhadas também simbolizam a junção entre o plano físico e o plano espiritual, sendo o centro desse cruzamento o ponto de encontro entre esses dois mundos. Essa é uma das razões pelas quais os Exus estão vinculados às encruzilhadas, pois Exu representa a ligação entre a vida e a morte. Dentro desse domínio, as encruzilhadas podem se apresentar na forma de um "X" ou de um "T". Quando aqueles que seguem essa tradição sentem a necessidade de mudar seus destinos e explorar novos caminhos, buscam orientação e auxílio dessas entidades.


Essa esfera desbloqueia acessos para todos os reinos da Quimbanda, tornando-se um local crucial no culto. No entanto, as entidades desse reino também têm o poder de obstruir caminhos. Essas entidades apresentam características de malandros, boêmios da madrugada que levaram uma vida indulgente. Geralmente, manifestam um humor negro e ácido, usando linguagem chula e demonstrando sarcasmo.


Os povos pertencentes ao reino das encruzilhadas são:


  1. Povo da Encruzilhada da Rua - Chefiado por Exu Tranca-Ruas

  2. Povo da Encruzilhada da Lira - Chefiado por Exu Sete Encruzilhadas

  3. Povo da Encruzilhada da Lomba - Chefiado por Exu das Almas

  4. Povo da Encruzilhada dos Trilhos - Chefiado por Exu Marabô

  5. Povo da Encruzilhada da Mata - Chefiado por Exu Tiriri.

  6. VI - Povo da Encruzilhada da Kalunga - Chefiado por Exu Veludo

  7. Povo da Encruzilhada da Praça - Chefiado por Exu Morcego

  8. Povo da Encruzilhada do Espaço - Chefiado por Exu Sete Gargalhadas

  9. Povo da Encruzilhada da Praia - Chefiado por Exu Mirim.



REINO DOS CRUZEIROS


Os cruzeiros são imponentes cruzes, confeccionadas em pedra ou madeira, que se erguem em cemitérios, nos adros das igrejas, praças, entre outros lugares. Originando-se nos primeiros séculos do cristianismo, sua construção tinha o propósito de "cristianizar" e "santificar" determinados locais, visando protegê-los contra influências malignas e práticas de feitiçaria.


A construção de cruzeiros, muitas vezes, está associada a narrativas específicas. Cristãos buscavam erigir essas estruturas em locais marcados por tragédias com mortes ou em áreas onde pessoas haviam cometido "pecados" ou adorado outros deuses. No Brasil, os cruzeiros se tornaram locais tradicionais para oferendas e práticas de magia e feitiçaria.


Os cruzeiros têm uma estreita ligação com os falecidos, simbolizando os limiares entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos, compartilhando semelhanças com o domínio das encruzilhadas. Sob a liderança de Exu Rei dos Sete Cruzeiros e Pomba Gira Rainha dos Sete Cruzeiros, ambos governam todas as passagens das entidades que atuam nos cruzeiros. As entidades desse reino são invocadas para propósitos diversos, como proteção, cura e defesa, mas também podem ser solicitadas para causar doenças, acidentes, assassinatos, e outros eventos.


Os povos pertencentes ao reino dos Cruzeiros são:


  1. Povo do Cruzeiro da Rua - Chefe Exu Tranca Tudo

  2. Povo do Cruzeiro da Praça - Chefe Exu Kirombó

  3. Povo do Cruzeiro da Lira - Chefe Exu Sete Cruzeiros

  4. Povo do Cruzeiro da Mata - Chefe Exu Mangueira

  5. Povo do Cruzeiro da Kalunga - Chefe Exu Kaminaloá

  6. Povo do Cruzeiro das Almas - Chefe Exu Sete Cruzes

  7. Povo do Cruzeiro da Porteira - Chefe Exu 7 Portas

  8. Povo do Cruzeiro da Praia - Chefe Exu Meia Noite

  9. Povo do Cruzeiro do Mar - Chefe Exu Kalunga (Kalunga grande)



REINO DAS MATAS


Sob a liderança de Exu Rei das Matas e Pomba Gira Rainha das Matas, o domínio das matas é habitado por espíritos como índios, caçadores e xamãs. Esses seres espirituais frequentemente exibem características tribais, representando os espíritos dos índios nativos, caboclos e caçadores. Sua disposição pode variar entre amigável e agressiva, emanando uma presença imponente, e eles possuem vasto conhecimento sobre ervas, venenos, o reino mineral e animal, bem como práticas de magia negra associadas ao mundo verde.


Essas entidades detêm profundo conhecimento acerca dos mistérios das florestas, compreendendo as curas naturais proporcionadas pelas plantas, assim como a fabricação de venenos a partir delas. Em determinados rituais, espíritos que eram guerreiros das tribos são convocados para perseguir inimigos. As velas e guias associados a essas entidades geralmente ostentam cores como verde, verde e preta, ou simplesmente preta.


Os povos pertencentes ao reino das Matas são:


  1. Povo das Árvores - Chefe Exu Quebra Galho

  2. Povo dos Parques - Chefe Exu das Sombras

  3. Povo da Mata da Praia - Chefe Exu das Matas

  4. Povo das Campinas - Chefe Exu das Campinas

  5. Povo das Serras - Chefe Exu da Serra Negra

  6. Povo das Minas - Chefe Exu Sete Pedras

  7. Povo das Cobras - Chefe Exu Sete Cobras

  8. Povo das Flores - Chefe Exu do Cheiro

  9. Povo da Sementeira - Chefe Exu Arranca Toco



REINO DOS CEMITÉRIOS


O Domínio dos cemitérios, frequentemente referido como a pequena calunga, constitui o Reino dos falecidos. Nessa esfera, diversas formas de energias são emitidas, sendo no cemitério o local onde emanam energias vinculadas à morte e aos mortos. Além disso, sentimentos como tristeza, melancolia, dor, depressão, sofrimento, desespero e raiva também têm origem nesse espaço. O cemitério representa a transição da vida para a morte, e é através de práticas de necromancia que buscamos acessar a sabedoria dos que já partiram.


A governança do reino dos cemitérios está sob Exu Rei das Sete Calungas e Pomba Gira Rainha das Sete Calungas, conhecidos como Rei e Rainha dos Cemitérios. As entidades vinculadas aos cemitérios são geralmente descritas como sendo frias, sérias e sábias, manifestando-se sob a forma de caveiras ou figuras altas e pálidas, reminiscentes de cadáveres. Dentro desse reino, encontram-se espíritos associados a maldições e doenças contagiosas, cujas manifestações costumam ser representadas por caveiras vestidas com túnicas ou por homens altos e pálidos, exibindo uma aparência cadavérica.


Os povos pertencentes ao reino dos Cemitérios são:


  1. Povo das Portas da Kalunga - Chefe Exu Porteira

  2. Povo das Tumbas - Chefe Exu Sete Tumbas

  3. Povo das Catacumbas - Chefe Exu Sete Catacumbas

  4. Povo dos Fornos - Chefe Exu da Brasa

  5. Povo das Caveiras - Chefe Exu Caveira

  6. Povo da Mata da Kalunga - Chefe Exu Kalunga (conhecido também como Exu dos Cemitérios)

  7. Povo da Lomba da Kalunga - Chefe Exu Corcunda

  8. Povo das Covas - Chefe Exu Sete Covas

  9. Povo das Mirongas e Trevas - Chefe Exu Capa Preta



REINO DAS ALMAS


Esse domínio é liderado por Exu Rei das Almas Omulu, o governante das almas dos falecidos, e Pomba Gira Rainha das Almas.


Os Exus pertencentes a esta esfera desempenham suas atividades em ambientes como hospitais, necrotérios, crematórios e cemitérios, exercendo controle sobre todos os Exus que atuam em locais elevados. As entidades dessa linha orientam as almas dos mortos, conectando-nos com a sombra da morte e auxiliando na compreensão mais profunda da vida e da morte. Essas entidades possuem características marcadas por uma aura sombria e melancólica.


Apresentam uma energia densa, preferindo ambientes obscuros e silenciosos, e geralmente são reservados em suas interações. Têm a capacidade de infundir tristeza, sofrimento e desespero nas almas de seus adversários.


Os povos pertencentes ao reino das Almas são:


  1. Povo das Almas da Lomba - Chefe Exu 7 Lombas.

  2. Povo das Almas do Cativeiro - Chefe Exu Pemba.

  3. Povo das Almas do Velório - Chefe Exu Marabá.

  4. Povo das Almas dos Hospitais.- Chefe Exu Curador

  5. Povo das Almas da Praia - Chefe Exu Giramundo.

  6. Povo das Almas das Igrejas e Templos - Chefe Exu Nove Luzes

  7. Povo das Almas do Mato - Chefe Exu 7 Montanhas.

  8. Povo das Almas da Kalunga - Chefe Exu Tatá Caveira.

  9. Povo das Almas do Oriente - Chefe Exu 7 Poeiras.



REINO DA LIRA


Esse domínio é liderado por Exu Rei das Sete Liras e Maria Padilha. São espíritos que têm afinidade com a arte, música, dança, poesia e o estilo de vida boêmio. Esse reino simboliza a vida noturna e os perigos associados à noite nas áreas urbanas. Compreende predominantemente espíritos ligados a frequentadores de casas noturnas, bares, bordéis, mercados, entre outros. Engloba entidades como traficantes, cafetões, políticos, ciganos, dançarinos, prostitutas, malandros, banqueiros e homens envolvidos em apostas noturnas.


Este é o reino dos negócios prósperos, dos prazeres carnais, da expressão artística, da dança e da sedução. Essas entidades proporcionam inspiração, inteligência, criatividade, auxílio financeiro e momentos de sorte e prazer. Contudo, também podem influenciar em vícios como drogas e jogos, desencadear uma luxúria desenfreada e orientar os inimigos para os perigos associados à noite.


Os povos pertencentes ao reino da Lira são:


  1. Povo dos Infernos - Chefiado por Exu dos Infernos

  2. Povo dos Cabarés - Chefiado por Exu do Cabaré

  3. Povo da Lira - Chefiado por Exu Sete Liras

  4. Povo dos Ciganos - Chefiado por Exu Cigano

  5. Povo do Oriente - Chefiado por Exu Pagão

  6. Povo dos Malandros - Chefiado por Exu Zé Pelintra

  7. Povo do Lixo - Chefiado por Exu Ganga

  8. Povo do Luar - Chefiado por Exu Malê

  9. Povo do Comércio - Chefiado por Exu Chama Dinheiro.



REINO DA KALUNGA GRANDE


Esse domínio é liderado por Exu Rei da Praia e Pomba Gira Rainha da Praia.

Ao longo da história, os seres humanos embarcaram em jornadas em busca de terras, riquezas ou simplesmente para desvendar o que existia além da linha do horizonte. Nessas expedições, ocorreram numerosas mortes, crimes e acidentes.


No reino da Kalunga Grande, encontram-se espíritos de indivíduos que perderam a vida no mar, na areia da praia ou nas proximidades das águas, incluindo também águas doces, rios, cachoeiras e pedreiras. Esses espíritos englobam barqueiros, marinheiros, capitães, piratas, marujos, pescadores e até mesmo pessoas que faleceram em naufrágios, assim como aqueles que eram conhecidos por sua propensão a festas e bebedeiras e que encontraram seu fim nas águas ou nas imediações delas. Algumas entidades desse reino são conhecidas por sua inclinação festiva, enquanto outras são mais reservadas e silenciosas.


Os povos pertencentes ao reino da Kalunga Grande são:


  1. Povo dos Rios - Chefiado por Exu dos Rios.

  2. Povo das Cachoeiras - Chefiado por Exu das Cachoeiras.

  3. Povo da Pedreira - Chefiado por Exu da Pedra Preta.

  4. Povo do Marinheiros - Chefiado por Exu Marinheiro.

  5. Povo do Mar - Chefiado por Exu Maré.

  6. Povo do Lodo - Chefiado por Exu do Lodo.

  7. Povo dos Baianos - Chefiado por Exu Baiano.

  8. Povo dos Ventos - Chefiado por Exu dos Ventos

  9. Povo da Ilha - Chefiado por Exu do Cocô.



LINHAS


As linhas representam a maneira como as entidades atuam sobre as populações e domínios da Quimbanda, sendo campos específicos nos quais as entidades demonstram especial expertise. Assim como os reinos, as linhas da Quimbanda também totalizam sete, cada uma contendo sete Exus e os líderes de legiões correspondentes.


LINHA MALEI


É a linha de Exu Rei. Esta linha rege e administra o reino de Exu.


LINHA DAS ALMAS


É a linha sob a influência de Omulu. Nesta esfera, encontram-se os espíritos comumente referidos como Omulus, e suas residências são nos cemitérios, locais onde são realizadas as oferendas a eles.


LINHA DO CEMITÉRIO OU DOS CAVEIRAS


Corresponde à linha associada a Exu Caveira. As aparições dos Exus dentro dessa linha frequentemente assumem a forma de caveiras. Esses espíritos também desempenham suas atividades e recebem oferendas nos cemitérios.


LINHA NAGÔ


Refere-se à linha de Exu Gererê. Os integrantes desta linha são espíritos com habilidades de feitiçaria, frequentemente influenciados pela tradição Yorubá.


LINHA DE MOSSORUBI


Esta é a linha de Exu Kaminaloá. Dentro dessa esfera, manifestam-se os espíritos dotados de um extenso entendimento acerca da psique humana. São convocados tanto para promover o desenvolvimento mental quanto para instigar perturbações na mente dos adversários.


LINHA DOS CABOCLOS QUIMBANDEIROS


Esta é a linha de Exu Pantera Negra. Os seres espirituais nesta categoria detêm conhecimentos indígenas, muitas vezes se manifestando na forma de índios, o que justifica o nome dessa linha. Essas entidades exercem sua influência de maneira mais intensa no Reino das Matas, embora muitas delas possuam uma variedade de saberes e acabem atuando também no Reino da Kalunga Pequena e no Reino das Almas.


LINHA MISTA


Esta é a linha de Exu dos Rios ou Campinas. Exu dos Rios governa as margens dos rios, vestindo-se com penas negras e exibindo chifres. Muitos dos espíritos que integram essa linha são entidades ligadas a doenças e insanidades, provenientes de falecidos que agora servem a Exu. Esses espíritos atacam suas vítimas transmitindo as mesmas doenças que enfrentaram em vida.


Esses são os reinos, linhas e povos da Quimbanda. As entidades e divindades mencionadas nas tabelas anteriores podem variar de acordo com a perspectiva de cada terreiro de Quimbanda. Isso se deve ao caráter puramente simbólico dessas representações. As tabelas elaboradas para descrever reinos, linhas, povos, etc., são apenas tentativas de retratar as amplas áreas em que as entidades atuam, seus métodos de trabalho e as características atribuídas a elas. Muitas entidades/divindades têm a capacidade de atuar em diversos reinos e linhas, gerando assim diferentes pontos de vista.

24 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page